Fernanda de Lima


Atenção, o  http://fernandadelima.zip.net/ mudou para http://ferdelima.wordpress.com.

Por questões editoriais e de estrutura o blog mudou da plataforma UOL para a wordpress, facilitando a visualização e leitura.

Foram anos de parceria, que chegam ao fim com o sentimento de dever cumprido. 

O novo blog vem com um desejo de mudança, algo muito mais perto do dia a dia de cada pessoa, intimista e com personagens reais, com dicas, matérias e muito mais conteúdo.

O antigo blog continuará na rede.



Escrito por Fernanda de Lima às 12h42
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Projeta Brasil

Ontem tive o privilégio de participar do 12º Projeta Brasil. Um projeto da Rede Cinemark de cinema que exibe durante todo o dia apenas filmes nacionais.

É uma delícia ver o quanto a nossa indústria cinematográfica está crescendo. 

Eu mesma posso afirmar que tinha preconceito contra filmes brasileiros, me recusava a trocar um campeão de bilheteria americano por um filme nacional. Mas acredito que o filme "Cidade de Deus" tenha me despertado um novo olhar. 

Ontem encarei com prazer 10 horas de cinema, nas quais prestigiei filmes de diversos gêneros. Porém, tenho um novo "queridinho", o filme "Meu País", simples e lindo, simplesmente lindo. Um filme que trata de um dos núcleos mais importantes de uma sociedade, pelo menos na minha opinião, a família.

Todo ano o projeto oferece a exibição de filmes nacionais a apenas R$2,00, um estímulo que deveria acontecer no mínimo duas vezes ao ano. No entanto, tenho certeza que com a crecente qualidade do nosso cinema, em breve, deixaremos nossos lares para irmos ver um bom filme nacional a qualquer hora e a qualquer preço.



Escrito por Fernanda de Lima às 11h27
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O que esperar da guerra enfrentada pelo Rio de Janeiro?

Orgulho? Raiva? Angústia? Vergonha? Esperança?

 

O que esperar da guerra enfrentada pelo Rio de Janeiro?

 

Citando nosso ilustre presidente e a obra de Marcelo Tas, “Nunca antes na história desse país” acompanhamos uma mobilização tão forte por parte do governo e da população fluminense e da imprensa brasileira para que os anos de terror sejam extintos da cidade maravilhosa, que se mostra a cada dia não tão maravilhosa assim.

 

Vamos lá, diga: “antes tarde do que nunca”. O problema é esse tarde ter vindo apenas quando o Rio de Janeiro foi oficialmente declarado sede dos dois eventos esportivos mais importantes do mundo, a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, respectivamente.

 

Para tantos problemas, o tempo parece curto. A Copa será realizada em 2014 e as Olimpíadas em 2016. O tráfico de drogas é claramente o maior dos problemas enfrentados, porém não é o único.

 

Apesar de ser reconhecida mundialmente como a Cidade Maravilhosa, o Rio de Janeiro não é apenas o que acompanhamos pela televisão, o que as novelas fazem questão de exibir o tempo inteiro. A parte mais conhecida do Rio de Janeiro é também a menor parte. A cidade é rodeada de favelas, as praias não são seguras, acontecem tiroteios a qualquer hora do dia, o transporte público é um sistema falido, com funcionários despreparados que tratam os trabalhadores como animais de carga. Não, o Rio de Janeiro não é maravilhoso.

 

Iniciativas como a do atual governador Sérgio Cabral deveriam ter sido tomadas antes de o tráfico se sentir confortável o suficiente para chamar o Rio de Janeiro de casa. O tráfico será eliminado? Provavelmente não. Diminuirá? Provavelmente sim. Consequências? Provavelmente perderemos muitos inocentes? Essa luta valerá a pena? Sempre.

 

É torcer e agir pelo melhor. E torcer e esperar que toda essa atenção dispensada dure após 2014.



Escrito por Fernanda de Lima às 11h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A F1 perdendo a sua essência...

Po Fábio Seixas

22/08/2010

Veni, vidi, vici

"A gente nunca sabe. Mas provavelmente eu nunca voltarei à F-1. Foi algo que fiz por alguns anos, e tive vários momentos ótimos. Ganhei um título, o que sempre foi meu objetivo, mas as coisas mudaram. Estou correndo de rali agora, e há tantas coisas além da F-1 na minha vida agora..."
 
Ao que tudo indica, Raikkonen ficará na história como um personagem sui-generis da F-1.
 
Veni, vidi, vici.
 
Ele chegou de uma maneira diferente, mais jovem que todo mundo, quase sem experiência em carros, correu as primeiras provas sob observação da FIA.

 

Foi logo puxado pela McLaren e depois pela Ferrari.
 
Sem nunca dar muita bola para o politicamente correto e sem nunca dar muitas risadinhas para as câmeras, ganhou um Mundial. Talento ainda é o que importa, no fim das contas.
 
Desanimou. Foi procurar novas aventuras. E está feliz.
 
Ninguém pode culpá-lo. Mas podemos lamentar.
 
Raikkonen faz uma enorme falta à F-1. Imaginem este Mundial com ele, em qualquer das três equipes de ponta.


Escrito por Fernanda de Lima às 09h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Cuidado!

Recebi três destes e-mails na última semana e até me preocupei em estar violando alguma regra do Orkut. Mas fui atrás e descobri que milhares de pessoas tem recebido e-mails semelhantes e que não passam de e-mails falsos que estão espalhando vírus pela rede.

De acordo com o Google o golpe já está circulando há algum tempo e para se prevenir não se deve clicar em link algum anexado a mensagem. "Simplesmente ignore esse e-mail e classifique-o como spam/lixo eletrônico, não abra pois nele há anexado um arquivo executável com conteúdo malicioso. Se você esta usando o Orkut sem violar as leis e termos de uso não se preocupe sua conta não esta condenada a nenhum tipo de punição."

Segue abaixo o e-mail recebido:

Recebemos uma denúncia de abuso no perfil do seu orkut

De: Orkut.com 

 

Assunto:

Recebemos uma denúncia de abuso no perfil do seu orkut
Data:
18/05/2010 03:07

 

Cancelar Continuar

Denúncia de abuso

Saiba que, recebemos uma denúncia de abuso no perfil do seu orkut, decidiremos pela remoção do material sempre que ocorrer violação das leis vigentes no mundo real ou das políticas do orkut.

Após avaliarmos cada caso cuidadosamente, poderemos remover conteúdos considerados ofensivos, prejudiciais ou perigosos, como:

  • Linguagem de ódio
  • Promoção de atividade ilegal e perigosa
  • Vítimas de phishing ou invasão de conta
  • Conteúdo que facilite phishing ou invasão de contas
  • Identidade questionável do usuário

Além disso, nós também estamos cientes da possibilidade de o orkut conter informações intrinsecamente pessoais ou invasivas para outros usuários. Apesar disso, como não podemos julgar o que é certo ou errado em todos os casos. Portanto, algumas coisas terão de ser decididas por um juiz de direito. Veja alguns exemplos de conteúdo que só será removido mediante uma ordem judicial:

  • Imagem ou linguagem chocante ou repulsiva
  • Sátira política ou social

Se tiver certeza de que a sua conta não viola as leis do mundo real ou que seja contrário às nossas políticas, você poderá reportar o caso, clicando clicando no link reportar. Preencha o formulario para nos notificar a respeito do conteúdo supostamente infrator no orkut.

Acreditamos que oferecemos a você as ferramentas necessárias para lidar com comportamentos importunos ou usuários insistentes no orkut, além de publicarmos nossas políticas de forma transparente.



Escrito por Fernanda de Lima às 13h06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Homenagem a Armando Nogueira, por Rodrigo Viana

Armando Nogueira, 83

Inspirado em México 70, crônica mais famosa do autor, publicada por ocasião da conquista do tri-mundial da seleção brasileira, no Jornal do Brasil

 

E as palavras, eu que vivo delas, onde estão? Onde estão as palavras para contar a vocês e a mim mesmo que Armando Nogueira morreu? O Brasil está triste e toda a multidão de leitores está em transe. Parece uma comoção nacional: admiradores com os olhos deitados nos livros, revistas, jornais e arquivos. Cem olhos a lembrá-lo.

 

Levam-lhe os jornais levam-lhe os livros. Sei que é total a alucinação nos quatro cantos do país, mas só tenho olhos para a cena insólita: há muito que arrancaram as crônicas esportivas dos jornais. Só faltava, agora, alguém tomar-lhe a vida, derradeiro poeta da bola. Uma pena lírica de um semideus dos escritos.

 

Mas, felizmente, a cautela e o sangue-frio vencem sempre: venceram, com o Brasil, o

Mundial de 70, e venceram, também, na hora em que o desvario pretendia deixar Armando Nogueira completamente esquecido aos olhos de quase duzentos milhões de brasileiros.

 

E lá se vai Armando, correndo pelo céu afora, coberto de glórias, coberto de lágrimas, atropelado por uma pequena multidão. Essa gente, que está aqui por amor, vai acabar

sufocando as crônicas de Armando Nogueira. Se os jornalistas não entram em campo para homenageá-lo, coitado dele.

Coitado, também, dos livros de Armando, pendurados em mil prateleiras – Drama e glória dos Bicampeões, Na Grande Área, Bola na Rede, O Melhor da Crônica Brasileira, Bola de Cristal, O Homem e a Bola, A Copa que ninguém viu e a que não queremos lembrar, O Canto dos meus Amores, A Ginga e o Jogo e um sombreiro imenso de outros textos, entrelaçando ficção e realidade, carregando, por todos os lados, o sabor da paixão coletiva.

 

O jornalismo brasileiro, nesse momento, é um manicômio: botafoguenses e vascaínos, corintianos e palmeirenses, flamenguistas e fluminenses, com bandeiras enormes, engalfinham-se num estranho esbanjamento de alegria e saudosismo.

 

Agora, quase não posso ver o futebol lá embaixo: chove reportagem e emoção no texto de Nogueira. Esse acreano que nasceu jornalista foi feito para o futebol: sua arquitetura de palavras põe o povo dentro do campo, criando um clima de intimidade que o futebol, somente em Armando Nogueira, toma emprestado à literatura.

 

Cantemos, amigos, a fiesta brava, cantemos agora, mesmo em lágrimas, os derradeiros instantes do mais bonito texto que meus olhos jamais sonharam ver.

 

Pela correção dos parágrafos, escritos em oitenta e três anos de vida. Pelo respeito com que todos os profissionais da imprensa prestam a ele, imagem a imagem, reportagem a reportagem, trocando informações, trocando consolo, trocando destinos que hão de se encontrar, novamente, em alguma crônica de Armando Nogueira.

Choremos a alegria de uma vida admirável em que o Brasil fez futebol de fantasia, fazendo amigos. Fazendo irmãos em todos os continentes.

 

Orgulha-me ver que o futebol, nossa vida, é o mais vibrante universo de paz que o

homem é capaz de iluminar com uma máquina de escrever, seu brinquedo fascinante. Oitenta e três anos, nenhuma baixa. Várias emissoras de TV e jornais –  hoje ele morreu. Mas não há bandeiras de luto no mastro dos heróis do futebol.

 

Por isso, recebam, logo mais, no velório, no Maracanã, o herói do Mundial de 70, de 1994, de 2002 com a ternura que acolhe em casa os meninos que voltam do pátio, onde brincavam. Perdoem-me o arrebatamento que me faz sonegar-lhes a análise fria da obra de Armando Nogueira. Mas textos póstumos são assim mesmo: as análises

cedem vez aos rasgos do coração. Tenho uma vida profissional cheia de ídolos que já se foram e, em nenhum deles, falou-se de análises de vidas. Homenagem é sublimação, homenagem é pirâmide humana de olhos nas frases geniais de Armando Nogueira: “Heróis são reféns da glória. Vivem sufocados pela tirania da alta performance” ou, ainda: “Deus é esférico”. Homenagem é antes do nascimento, depois do nascimento. Nunca durante a vida.

 

Que humanidade, senão a do esporte, seria capaz de construir, sobre a abstração de um texto, a cerimônia a que assisto, neste instante, querendo chorar, querendo gritar? Os campeões mundiais de futebol em volta do caixão, a beijar a corpo de Armando Nogueira, pai adotivo de todos nós, brasileiros? Ternamente, o capitão Carlos Alberto cola o corpinho dele no seu rosto fatigado: escreveu para sempre, escreveu por ti, adorável peladeiro do Aterro do Flamengo. Armando, agora, é teu, amiguinho, que mataste tantas aulas de junho para ler seus textos. Ele é quem vai baixar, em espírito, no Jalisco de Guadalajara.

 

Sorve nos textos de Nogueira, amiguinho, a glória de Pelé e do nosso futebol, que tem a fragrância da nossa infância.

 

Armando Nogueira é eternamente teu, amiguinho.

 

Até que os deuses do futebol inventem outro.

Rodrigo Silva Viana é jornalista, com mestrado em Literatura. Analisou crônicas de futebol. É também professor de jornalismo esportivo na pós-graduação da FMU – Faculdade Metropolitanas Unidas.



Escrito por Fernanda de Lima às 22h28
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Ministério da desordem

O Ministério do Trabalho e Emprego de São Paulo está tão bem organizado quanto os demais setores do governo no Brasil.  Para, por exemplo, realizar o seu registro de MTB é preciso encarar uma fila com mais de 30 pessoas, um tempo que não é nem estimado e a antipatia de alguns funcionários.

Além de "gastar" o tempo dos cidadãos paulistanos, o ambiente fechado e apertado consegue deixar a espera pelo atendimento ainda mais insuportável.

O crescimento de uma nação deve começar pelos órgãos do governo. E a educação parece não ter chegado à esse setor.

Para a ironia ser maior, o quadro na entrada da sala para o registro diz:

"Código Penal - Decreto-lei 2848/40

Art. 331 - Desacatar funcionário público no exercício da função ou em razão dela:

Pena - detenção de 06 meses a 02 anos, ou multa." 



Escrito por Fernanda de Lima às 13h43
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Me Cura

Conheci o Instituto de Mediação de Cura e Pesquisa, o Me Cura, através de uma amiga que faz parte do projeto voluntariamente. O nome já me gerava um pré-conceito e não sabia bem o que esperar. Ou melhor, já esperava algo que não me agradaria muito. O nome é bem sugestivo e me levava a crer em "técnicas espirituais". Ainda bem que o pré-conceito é apenas pré.

Já na recepção, o clima é descontraído e reconfortante. O Me Cura é um espaço para fazer as pessoas se sentirem bem, com técnicas que poderíamos até chamar de relaxamento. Quem não iria querer um Shiatsu, a tradicional massagem japonesa faz você sair com alguns quilos a menos, aliviada e renovada. A ONG é composta, em sua grande maioria, por voluntários, que comprova ainda mais a ideia inicial de ajudar o próximo.

As atividades são variadas e trabalham diferentes aspectos do corpo e mente. As principais práticas oferecidas são a terapia corporal, a massagem consciente, o reiki e o shiatsu.

Com a agitação do dia-a-dia, vale a pena conhecer um lugar como esse. Não há contra-indicações, tanto os mais novos quanto os mais experientes frequentam o Me Cura para um momento só deles.

Conheça mais sobre a instituição acessando o site http://www.mecura.org.br/



Escrito por Fernanda de Lima às 12h00
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O Brasil no mundo da música

2010 é o ano do Brasil no cenário musical. Só nos 2 primeiros meses, o país trouxe nomes de peso da música mundial.

Beyoncé, Eagle Eye Cherry, Akon, Cranberries e Metallica foram sucessos de público. Esses grandes nomes, assim como outros artistas que passaram pelo Brasil no final de 2009, mostram a nova realidade nacional. Antes, eram raros os espetáculos internacionais por aqui, e já após o bom enfrentamento brasileiro em meio a crise econômica mundial, mostra ao mundo um país que pode liderar frentes. E por que não começar pela música.

Esses artistas foram só os primeiros de uma grande leva que está por vir.

Artistas já confirmados:

Coldplay - Rio de Janeiro, 28/02; São Paulo, 02/03

NOFX - Porto Alegre, 03/03; São Paulo, 04/03; Fortaleza, 06/03; Curitiba, 07/03

A-ha - São Paulo, 10/03; Rio de Janeiro, 13/03; Belo Horizonte, 14/03

Guns N'Roses - Brasília, 07/03; Belo Horizonte, 10/03; São Paulo, 13/03; Rio de Janeiro, 14/03; Porto Alegre, 16/03

Dream Theater - Porto Alegre, 16/03; Curitiba, 18/03; São Paulo, 19/03; Rio de Janeiro, 20/03

Franz Ferdinand - Porto Alegre, 18/03; Rio de Janeiro, 19/03; São Paulo, 23/03

Além das fortes especulações para shows de Lady Gaga, U2, Justin Timberlake e Paul McCartney.

 

 

 



Escrito por Fernanda de Lima às 13h14
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Buscador de político honesto?

Os maiores buscadores do mundo você já conhece, mas uma nova mensagem de e-mail que está rolando pela internet nos apresenta uma ferramenta revolucionária: o politicohonesto.com.

"PoliticoHonesto.com é o primeiro site especializado em busca somente a políticos honestos na rede nacional. (hihi)

- Fernanda, Você não vai aguentar ficar só na curiosidade :D

Se você gostou indique para seus amigos (hahaha) ops, não é conto de papai noel, mas é aprovado por Chuck Norris ;)

www.PoliticoHonesto.com ;)

Tem até Twiter: twitter.com/politicohonest (roubaram o "o" do final)."


Escrito por Fernanda de Lima às 11h50
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Verdadeiro ou falso?

O Brasil é rico em histórias, mitos, lendas e curiosidades. Cada região conta com o seu folclore, enaltecendo as características de um povo brasileiro. Confira uma das lendas de uma das regiões mais criativas do país, o nordeste.

Brendha, 7 anos, conta a lenda da "Comadre Florzinha".



Escrito por Fernanda de Lima às 14h30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Desigualdade social ou climática?

A desigualdade brasileira é claramente anunciada como "desigualdade social", mas após 15 dias no nordeste eu afirmaria que a desigualdade brasileira está no clima.

Saindo de São Paulo com um aparente tempo amistoso, passando por Minas Gerais esverdeada e deparando-me com uma Bahia amarelada pela seca.

Enquanto em estados como a Bahia, principalmente a parte nordeste, Ceará e Piauí, a chuva dá a "água da graça" uma, duas ou raras três vezes a cada 3, 4 meses, o sul e sudeste do Brasil vive embaixo d'água, tentando respirar em meio as inundações.

Assusta ver tragédias como a de Angra dos Reis e assusta ver o gado e as colheitas morrendo por falta de água.

Como transferir o que seria bom para um, mas que ao mesmo tempo está matando o outro?



Escrito por Fernanda de Lima às 00h35
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Heroes and Villains

The Human’s history is marked by two kinds of people that we can call as Heroes and Villains. The both groups are always confronting between themselves, without the good wouldn’t exist the bad and vice versa.

It seems we have the necessity to create one opposite side for every part of our lives. We have the black and the white, the sugar and salt, the good and the bad, the hero and the villain.

On a certain time of ours lives we must choose a side and that decision it may change the trajectory of our way. The right decision can transformer our lives with happiness and love, although the wrong decision can make we loose our ways forever and without returning back.

But sometimes we ask ourselves what side we must choose. And maybe this sentence from a very popular American writer can help us with the answer:

“It seems to me that if you or I must choose between two courses of thought or action, we should remember or dying and try so to live that or death brings no pleasure on the world”, John Steinbeck.

Heroes in Greek Mythology are probably one of the most influents groups in the face of the Earth. They are taught on school, are examples on jobs sectors and are followed by some people’s way of life. We could talk about a hundred of Greek’s heroes, but certainly one of the most famous is Hercules.

Hercules is theme of movies, cartoons, books and a diversity of others entertainment things. This character is known as the most loved Greek hero. He was son of Zeus and Alcmena. The legend says that still as a little baby, Hercules killed two snakes that were sent through a selfish lover from his father, Zeus. When he was a kid he was responsible with his own hands for the death of a wild lion. On his adulthood the most commented fact is the “Hercules 12 labors”, a punishment for insanity’s moment lived by Hercules. In these “villain’s moment” lived by the Greek hero he murdered his own wife and children. When he got back his sanity he was shocked with the situation. It seems that every hero has his villain part too.

Nowadays the society denominates all kinds of people as heroes and of course as villains too. A fireman who saved a little kid, a cop who gets the bandit, an American black president, a war’s survivor, a great actor, a famous and brilliant sports player, they all can be considered heroes by our society. But, if you see on other hand, you also can see them as the worst villains ever.

A fireman who didn’t save the little kid, a cop who didn’t get the bandit or got the wrong person, an American president, a war’s survivor among so many people, a great actor who’s not an example for anybody, a famous and brilliant sports player that make a mistake in the final game, those same people… from heroes to villains, the angle that you look to the others defines how good or bad they are.

We all can be heroes and villains on other’s life.



Escrito por Fernanda de Lima às 23h06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Psicologia do esporte: uma solução empreendedora (artigo científico)

A psicologia e os princípios no esporte


A psicologia é uma das áreas biológicas em maior ascensão nos últimos anos. Cuidar da mente hoje parece tão importante quanto do corpo. Indo mais além, podemos afirmar que o corpo não reage se a mente não estiver em ordem. Ao pé da letra o termo psicologia significa “estudo do comportamento humano e os processos mentais”. O comportamento humano varia de acordo com cada indivíduo e a psicologia não pretende a unificação e sim a melhor maneira de lidar com cada um deles.

O psicanalista Sigmund Freud defendia a tese de que para não ficar doente da mente os sentimentos deveriam ser colocados para fora. Para Freud, mais do que o estudo do comportamento, a psicologia era o estudo dos sentimentos humanos. Sentimentos que ora reprimidos desencadeavam mudanças aí sim no comportamento e, o consequente, insucesso seja na vida pessoal e/ou profissional.


Não se cogita a repressão total das tendências agressivas do homem:

o que podemos tentar é canalizar essas tendências para

outra atividade que não seja a guerra.”

Sigmund Freud

O sucesso nasce de dentro para fora. A teoria certamente gera debates. Entretanto, ao observarmos os maiores feitos da humanidade ou para sermos mais específicos se olharmos os nossos mais importantes passos pessoais, constataremos que a parte psicológica foi uma grande aliada em nossas realizações. E se fizermos o inverso, ou seja, analisarmos os nossos principais deslizes, provavelmente notaremos que algo andava errado em nossas mentes.

A precursora, paixão

A psicologia no esporte é desencadeada, principalmente, pela paixão que é inerente ao mundo esportivo em todas as suas vertentes.

A paixão no esporte está associada a satisfação pessoal dos indivíduos. A vitória do nosso ídolo, da nossa equipe nos é transferida ao nossos instintos como a nossa própria vitória. A minha equipe vence, eu venço. A vitória passa a ser nossa, o ídolo, a equipe vence não somente por si, mas para todos que dela fazem parte. A maior motivação do esporte é a paixão.

Quando nos referimos à psicologia esportiva não estamos falando apenas de exercícios físicos, mas principalmente do tratamento exigido para a melhor performance dentro de cada modalidade. A melhor performance faz a conexão de um bom condicionamento físico e mental. Qualquer setor da vida que envolve a paixão requer apoio psicológico incondicional. No esporte, a paixão transpira por todos os lados e de inúmeras maneiras. Atletas são exigidos a todo segundo. Exigências por parte de comandantes, dirigentes, empresários, familiares, torcedores e, claro, de si próprios.

A discreta psicologia

Com o avanço das técnicas de gestão de negócios, surgem mais e mais cursos e especializações na área desportiva. Os investimos tornam-se corriqueiros em profissionais que dominam cada segmento da área esportiva. Segundo o site de marketing esportivo, Arena Sports, em 2007, a indústria esportiva movimentou o equivalente a 3,3% do PIB brasileiro, uma renda de aproximadamente R$31 bilhões ao ano. As áreas de senso comum são as que mais crescem e temos como principal exemplo o próprio marketing esportivo. Nos últimos anos, o marketing voltado para o esporte obteve um crescimento de 12,34%, sendo assim um dos negócios mais rentáveis para o esporte.

Dentro da gestão esportiva o que fica exposto à mídia e à todos que acompanham o esporte são, em sua maioria, as grandes ações de marketing, o talento de um atleta, o destaque de uma equipe e as transações milionárias. À margem conseguimos identificar as ações interiores, sem o mesmo alarde, mas que podem produzir o mesmo efeito ou até superá-los no sucesso de um negócio. É à margem e discretamente que atua a psicologia do esporte e, ainda assim, quem disse que não pode ser um negócio rentável?

A psicologia esportiva ainda é muito recente, em especial, aqui no Brasil. Um dos primeiros relatos da prática datam de 1958, com o psicólogo João Carvalhaes.

Carvalhaes foi convocado para integrar a comissão da Confederação Brasileira de Futebol, que participaria da Copa do Mundo na Suécia. Lá realizou diversos exames nos jogadores e passou os resultados para o na época chefe da Delegação Brasileira de Futebol, Paulo Machado de Carvalho. O psicólogo havia realizado os chamados exames psicotécnicos, que abordam dados psicológicos de modo sistemático, por meio de métodos e técnicas voltados para a resolução do problema ou identificação das diferenças particulares.

O que isso rendeu para a seleção brasileira? Simplesmente o título da competição mundial de 1958. Obviamente, o psicólogo não foi o inteiro responsável pela vitória brasileira, mas despertou o interesse de inúmeros estudiosos do futebol. Consagrados jornais da época deram destaque ao trabalho de João Carvalhaes. Podem ser citados como exemplo O Estado de São Paulo (Psicotécnica nos Esportes), Gazeta Esportiva (Não há jururus na seleção... Carvalhaes peça útil na máquina da seleção), Esporte News (Carvalhaes, um dos motivos da vitória dos brasileiros) e Sports Illustrated apud Folha da Manhã (Diário Secreto de Paulo Machado de Carvalho: finanças, organização e psicologia dos campeões).

Na contramão desse sucesso, a psicologia de Carvalhaes também levantou uma grande polêmica. As teorias conspiratórias alertavam para o fato de que os métodos do psicólogo indicavam os jogadores “amarelões”, que “tremiam” na hora de uma decisão. Consequentemente, João Carvalhaes poderia ser responsável direto pela escalação ou não de jogadores. Nada foi comprovado efetivamente. Porém, seria mesmo prejudicial a interferência de um psicólogo na escalação de uma equipe? Se os resultados pudessem ser de fato comprovados, todas as partes sairiam ganhando. Uma equipe com jogadores em excelente forma física e mental seriam absolutamente mais efetivos do que outros em condições inadequadas. Os problemas emocionais causam impactos físicos em todos os indivíduos, ainda mais no caso de atletas em extrema evidência.

O psicólogo do esporte não se limita a trabalhar para melhorar o desempenho de atletas frente a uma decisão, mas devem atuar também para o bem estar pessoal do atleta. Nas últimas décadas o esporte tem adquirido características de altíssimo nível e a evolução aproxima cada vez mais os atletas uns dos outros. O diferencial em rendimento e efetividade pode se sobressair através de um bom acompanhamento psicológico.

Alexander Popov, melhor nadador da Olimpíada de 1996, disse em certa ocasião:

Quem quer que esteja fisicamente bem preparado

pode fazer coisas incríveis com seu corpo.

Mas quem junta a um corpo em forma

uma cabeça bem cuidada é capaz

de feitos excepcionais.”

A psicologia esportiva favorece todos os lados, porque tende a estudar todos eles. Conhecendo a competição, o esforço e a paixão exigidas por cada modalidade é possível entender e trabalhar para atender as necessidades de cada nicho.



Escrito por Fernanda de Lima às 14h57
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Professora de francês há 10 anos no Brasil.

Valérie vive há 10 anos em solo brasileiro e, apesar de ter conhecido diversos "paraísos" ao redor do mundo, o Brasil ainda é o preferido.



Escrito por Fernanda de Lima às 12h01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil


BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Mulher, de 20 a 25 anos, Portuguese, English



Histórico


    Votação
    Dê uma nota para
    meu blog



    Outros sites
     UOL - O melhor conteúdo
     BOL - E-mail grátis
     Blog do Juca
     Is Free
     Gol de Craque
     Tadeu Inácio
     Rodrigo Viana